Como Ajudar Um Cão Acorrentado

Como Ajudar Um Cão Acorrentado


Lutar por minorar o terrível sofrimento dos animais acorrentados é um exercício de cidadania numa sociedade que se pretende justa e solidária. Há muitas pessoas que se preocupam com estes animais, mas nunca tentaram intervir. Contudo, é urgente que todos nos envolvamos.A vida de muitos cães mudou radicalmente, simplesmente porque alguém se preocupou o suficiente para intervir.

Acorrentado a Uma Parede

Formas de Ajudar

  • Sensibilizar a Comunidade
  • Sensibilizar os Responsáveis Pelo Cão
  • Melhorar as Condições de Vida de Um Cão Acorrentado
  • Denunciar o Caso às Autoridades


Sensibilizar a Comunidade

A pressão social da comunidade pode ser um factor decisivo para solucionar situações em que os cães são mantidos acorrentados. Por vezes, é mais fácil e eficaz sensibilizar a comunidade do que tentar sensibilizar directamente os responsáveis pelo animal. Uma comunidade desperta para o sofrimento dos cães acorrentados e que condene claramente este acto cruel pode ser o suficiente para os responsáveis pelo cão mudarem a sua atitude para com o animal.
Sobretudo nas zonas em que há maior taxa de cães acorrentados, é recomendável a divulgação do folheto informativo “A Vida Passa-lhes ao Lado” em locais estratégicos, como juntas de freguesia, farmácias, mercearias, etc. Uma comunidade informada é o primeiro passo para uma mudança para melhor na vida de muitos cães acorrentados.
A Associação Pelos Animais disponibiliza gratuitamente o folheto “A Vida Passa-lhes ao Lado” a qualquer pessoa que esteja empenhada em sensibilizar e informar os cidadãos da sua comunidade para a crueldade de manter cães acorrentados. Poderá consultar o folheto na secção Material. Para saber como obter o folheto, contacte-nos.

Sensibilizar os Responsáveis Pelo Cão

Husky Acorrentado
Quem tem um animal acorrentado fá-lo muitas vezes por ignorância(desconhecem as potencialidades e características dos cães, como sejam a necessidade de interacção e a capacidade de sofrer) e porque étradição ou costume (por exemplo, por ser comum acorrentar os cães na aldeia ou por os pais e os vizinhos também manterem cães acorrentados), e não por nenhum requinte de malvadez.
Ao abordar uma pessoa que mantém um cão acorrentado, não devemos nunca ter uma atitude de confronto, pois daí não resultará nada de positivo para o animal. Devemos tentar compreender essa pessoa e os motivos que a levam a manter o animal naquelas condições, enquanto lhe perguntamos algo sobre o animal e ao mesmo tempo lhe sugerimos amigavelmente formas de melhorar as condições em que o cão se encontra. Uma forma de “quebrar o gelo” pode ser oferecer uns biscoitos de cão, dizendo, por exemplo, «Trago no bolso alguns biscoitos do meu cão, posso oferecer um ao seu?».
Uma das justificações mais comuns para se ter um cão acorrentado é o intuito de o cão servir de guarda à casa ou dar sinal de perigo. Podemos explicar à pessoa que seria mais eficaz ter o cão dentro de casa, juntamente com a família. Estando acorrentado, o cão não pode fazer nada para impedir que estranhos entrem dentro de casa, a não ser ladrar. Mas, como normalmente um cão acorrentado ladra por tudo e por nada, já ninguém liga. Além disso, a realidade é que um cão acorrentado está completamente indefeso e pode facilmente ser envenenado ou ser vítima de outro tipo de ataque. Em contrapartida, estando dentro de casa, o cão consegue avisar sobre potenciais perigos de forma muito mais eficaz e o factor surpresa joga contra potenciais intrusos, os quais não sabem o que os espera para lá da porta (sem contacto visual, os potenciais intrusos não conseguem saber o porte nem a quantidade de animais no interior). Ter um cão dentro de casa é verdadeiramente um factor dissuasor — ao ouvir um cão a ladrar do lado de dentro da casa, é muito provável que o assaltante desista do alvo, pois a preferência vai sempre para os alvos mais fáceis e sem surpresas.
Outro motivo comum para se ter um animal acorrentado é simplesmente o de evitar que o cão fuja. Muitas destas pessoas até gostam do animal, mas não se apercebem da crueldade que significa mantê-lo acorrentado. Nestes casos, podemos tentar explicar-lhes algumas características dos cães e como estes sofrem profundamente com o isolamento e a cruel restrição de movimentos que estar acorrentado significa, e podemos sugerir que aumentem a altura da vedação ou façam um espaço vedado para o cão poder andar à vontade.

Rott AcorrentadoMuitas vezes, as pessoas “desistem” dos animais e acorrentam-nos, porque ficam frustradas com o comportamento deles (sujar a casa, estragar algo, reagir a alguma pessoa). Contudo, a maioria destas situações são facilmente resolúveis ou minoradas com educação, com treino de obediência ou com a esterilização do animal. Procure informar a pessoa acerca destas possibilidades. Parte destas pessoas perdeu mesmo por completo o interesse no animal e não se importaria de o dar para adopção. Nesses casos, podemos tentar explorar essa possibilidade, falando no assunto da adopção à pessoa e procurando um adoptante responsável para o animal.
Na secção Material, consulte o folheto "Liberta-me", que poderá entregar a quem tem um cão acorrentado. Para saber como obter gratuitamente o folheto, contacte-nos. Consulte também abaixo as sugestões para Melhorar as Condições de Vida de Um Cão Acorrentado, as quais poderá utilizar ao conversar com os responsáveis pelo animal.
Desde que sejamos simpáticos e não entremos em confronto, por bem do cão, vale sempre a pena falar com os responsáveis por um animal acorrentado no sentido de tentar melhorar a vida dele.

Melhorar as Condições de Vida de Um Cão Acorrentado

A principal melhoria na vida de um cão acorrentado é deixar de estar acorrentado (passando a viver dentro de casa ou ficando no exterior protegido por uma vedação). Contudo, isso nem sempre é possível e, nesses casos, mais vale alguma pequena melhoria no sentido de oferecer maior dignidade ao animal do que ficar tudo na mesma.
Possíveis melhorias incluem:
  • Manter sempre água fresca à disposição do animal.
  • Oferecer regularmente ao animal alimentação adequada (2 ou 3 vezes ao dia).
  • Substituir uma corrente pesada por uma corrente resistente em material leve (com interior em cabo de aço) com vários metros de comprimento.
  • Substituir uma corrente por um sistema de trela presa por uma roldana a um cabo esticado, o que permite maior facilidade de movimento.
  • Substituir a casota por uma melhor que proteja adequadamente da chuva, frio e calor.
  • Substituir a coleira por um peitoral resistente.
  • Oferecer regularmente alguma atenção ao animal e interagir com ele, por exemplo, com alguma brincadeira.
  • No Inverno, colocar palha na casota do cão para o manter mais quente.
  • No Verão, certificar-se de que o cão pode descansar à sombra (sombra de uma árvore ou de uma lona ou guarda-sol).
  • Oferecer ao animal brinquedos, comedouros higiénicos (por exemplo, em aço inoxidável) e recipientes de grandes dimensões para água.


Denunciar o Caso às Autoridades

Labrador Acorrentado
Felizmente, existe em Portugal legislação com o objectivo de oferecer alguma protecção aos animais de companhia. Esta legislação estabelece determinadas condições que têm de ser proporcionadas aos animais e que, na esmagadora maioria dos casos, não são cumpridas pelas pessoas que têm um cão acorrentado.
Quando a sensibilização não surte efeito, ou quando o sofrimento de um animal acorrentado é de tal forma grave que exija uma intervenção imediata, recomenda-se que seja feita uma denúncia às autoridades competentes — afinal de contas, a legislação existe para ser cumprida. No entanto, é muito importante ter em conta que, quando as autoridades actuam, o animal pode ser "apreendido" e ir parar ao respectivo canil municipal, onde o poderá esperar sorte ainda pior (num canil municipal, os animais podem ser abatidos após 8 dias de permanência se não forem adoptados). Como tal, antes de efectuar uma denúncia às autoridades, é muito importante garantir previamente a existência de uma família de acolhimento para o animal (temporária ou definitiva) que se disponibilize a ir buscá-lo ao canil, caso necessário.
Normalmente, a situação em que se encontram os animais acorrentados constitui violação de uma ou mais das seguintes disposições do Decreto-Lei n.º 276/2001 de 17 de Outubro (com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 315/2003 de 17 de Dezembro):
Artigo 8.º:
1 — Os animais devem dispor do espaço adequado às suas necessidades fisiológicas e etológicas, devendo o mesmo permitir:
a) A prática de exercício físico adequado;
b) A fuga e refúgio de animais sujeitos a agressão por parte de outros.
(...)
Artigo 9.º:
1 — A temperatura, a ventilação e a luminosidade e obscuridade das instalações devem ser as adequadas à manutenção do conforto e bem-estar das espécies que albergam.
(...)
6 — As instalações devem dispor de abrigos para que os animais se protejam de condições climáticas adversas.
(...)

As autoridades competentes para fiscalizar e fazer cumprir a legislação de bem-estar animal são as seguintes:
Corrente
  • Direcção-Geral de Veterinária, enquanto autoridade veterinária nacional.
  • Direcções regionais de agricultura, enquanto autoridades veterinárias regionais.
  • Os médicos veterinários municipais, enquanto autoridade sanitária veterinária concelhia.
  • O Instituto de Conservação da Natureza.
  • A Guarda Nacional Republicana (GNR).
  • A Polícia de Segurança Pública (PSP).
  • A Polícia Municipal (PM).
Normalmente, as autoridades policiais mais preparadas e sensíveis a estas questões são as brigadas do SEPNA (Serviço da Protecção da Natureza e do Ambiente, da GNR), as quais costumam actuar com relativa celeridade. É possível efectuar a denúncia para o número 808 200 520, bastando indicar a localização onde se verifica a infracção (pode optar-se por efectuar a denúncia de forma anónima). Se optar por efectuar uma denúncia, deverá certificar-se de que lhe é indicado o n.º de denúncia, para que possa posteriormente indagar sobre a evolução do caso.
É também recomendável denunciar o caso ao veterinário municipal. Há cada vez mais veterinários municipais sensíveis e, embora ainda haja alguns veterinários municipais retrógrados e sem nenhuma sensibilidade para estas questões, denunciar o caso ao veterinário municipal constitui também uma forma de responsabilizar politicamente o executivo municipal.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pelo comentário e solidariedade ;)